Petrobras reduzirá preço da gasolina em 3,88% na sexta-feira

A Petrobras comunicou que irá reduzir o preço da gasolina vendida às distribuidoras pela segunda vez seguida, desde que o novo presidente da estatal, Caio Paes de Andrade assumiu o cargo. A partir de sexta-feira (29), o valor médio do litro passará de R$ 3,86 para R$ 3,71 (redução de R$ 0,15 por litro, ou 3,88%).

A petroleira já tinha anunciado na última quarta-feira (27) nova diretriz para a política de formação de preços dos combustíveis. Nela, os Conselhos de Administração e Fiscal irão passar a supervisionar a política de preços da gasolina, do diesel e do botijão de gás no mercado interno.

No que diz respeito aos valores e aos reajustes, a estatal alegou que eles continuarão sendo de competência da diretoria executiva. Contudo, a cada três meses a empresa irá reportar essas ações aos conselhos. Vale ressaltar que esses reajustes, segundo a companhia, vão prosseguir com base na política de PPI (Preços de Paridade de Importação), que leva em conta os preços dos combustíveis no mercado internacional.

Com base nessa decisão, a AbriLivre (Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres), representada pelo seu diretor executivo, Rodrigo Zingales, emitiu uma nota para a imprensa se posicionando contra a política de Preços de Paridade de Importação.

Nota

São Paulo, 28 de julho de 2022 – A AbriLivre (Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres) vem a público posicionar-se sobre a notícia veiculada na imprensa sobre a decisão do Conselho de Administração da Petrobras de manutenção da política de preços da empresa baseada no chamado PPI – Paridade de Preços Internacionais, com o objetivo de preservar os resultados e interesses dos acionistas da companhia.

Segundo a nota publicada pela Petrobras (https://bit.ly/3cze3vl), “o Conselho de Administração aprovou Diretriz [que] reitera a competência da Diretoria Executiva na execução das políticas de preços, preservando e priorizando o resultado da Companhia, buscando maximizar sua geração de valor”. Nessa nota é ainda destacado que a “referida aprovação não implica em mudança das atuais políticas de preço no mercado interno, alinhadas aos preços internacionais, e tampouco no Estatuto Social da Companhia”.

A AbriLivre tem reiteradamente se posicionado favorável à substituição do PPI por uma política baseada nos custos de produção, importação e mais uma margem de lucros razoável aos acionistas. Tendo como base os dados de custos de extração de produção e refino da Petrobras e os preços internacionais do petróleo e seus derivados. Rodrigo Zingales, Diretor Executivo da AbriLivre, acredita que com uma mudança de política de preços a partir dos custos e margens razoáveis, o preço da gasolina e do diesel no mercado brasileiro poderá sofrer grandes reduções, chegando a cerca de US$ 60 a US$ 70 o barril, ao invés de US$ 100 a 120, conforme tem sido a oscilação do preço internacional do petróleo nos últimos meses.

Diferentemente do que propagam alguns especialistas do setor, Zingales explica que os Conselheiros da Petrobras e seus Diretores não estão obrigados a seguir os “preços internacionais”, mas, sim, não gerar prejuízos à empresa, como se verificou em períodos recentes de sua história. O Conselho da Petrobras e/ou seus diretores estariam autorizados a cobrar preços mais baixos se assim a União Federal desejar, na qualidade de controladora da empresa. Para justificar este entendimento, cita trecho do Formulário de Referência da Petrobras de 2022 (https://bit.ly/3OAJmTT), divulgado ao mercado, em que é descrito textualmente que “Como acionista controlador da Companhia, a União Federal adotou e pode continuar adotando no futuro, certas políticas macroeconômicas e sociais através da Companhia, conforme permitido por lei”.

Nesse sentido, a manutenção da política de PPI da Petrobras, que tem como objetivo “maximizar a geração de valor” para a empresa e seus acionistas, vai de encontro aos interesses do país e dos brasileiros. Isso porque, como tem sido visto e amplamente debatido por especialistas e leigos, a constante alta nos preços dos combustíveis tem impactado diretamente na inflação e, por conseguinte, limitado o crescimento do país sendo uma ameaça constante de recessão. Assim, independentemente de ter ou não um cunho eleitoreiro, seria de suma importância para o país e todos os brasileiros, inclusive para os proprietários de postos de combustíveis, que a União Federal, na qualidade de controladora da Petrobras e os Conselheiros nomeados por ela tivessem tido a coragem de substituir a Política de PPI por outra baseada nos custos e que visasse preservar o interesse do Brasil e não os interesses de seus acionistas ou diretores que ganham dividendos e bônus por performance.

A AbriLivre continuará lutando por preços mais baixos dos combustíveis e maior e efetiva concorrência em todos os elos da cadeia brasileira de combustíveis automotivos.

Atenciosamente,
Abrilivre
Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres

Sobre a AbriLivre

A AbriLivre (Associação Brasileira de Revendedores de Combustíveis Independentes e Livres) foi fundada em março de 2019 com o intuito de representar os interesses comuns de revendedores de combustíveis automotivos (bandeirados ou sem bandeira) de todo país.

A associação, representada pelo seu diretor executivo, Rodrigo Zingales, defende a existência de políticas de preços e descontos claras, transparentes e isonômicas tanto pelas distribuidoras de combustíveis quanto pela Petrobras.

NEWSLETTER

Cadastre-se em nossa newsletter e seja o primeiro a receber as notícias diretamente no seu e-mail!

Publibusiness

Para entrar em contato conosco, preencha dos dados abaixo envie sua mensagem.